terça-feira, 28 de junho de 2011

A eterna busca pelo “corpo perfeito”

Todo o mundo sabe que a maioria das mulheres nunca está satisfeita com seu corpo - seja ele completamente natural ou já tenha sofrido algumas modificações - elas sempre querem algo a mais. Pra quê tudo isso?


Se nascemos com o corpo “assim ou assado”, por que querer ser diferente quando, na maioria das vezes, você já tem um corpo bonito? Eu entendo que em certas ocasiões realmente são necessárias mudanças, mas na maioria dos casos, é apenas por pura vaidade, mesmo que já tenham um corpo que cause inveja a muitas garotas.

Não me refiro somente à beleza, mas também à altura, corpo, cabelos e etc. Eu demorei muito tempo para entender e aceitar, mas hoje admito com orgulho que sou baixinha e que tenho cabelos cacheados, mesmo que a sociedade tente impor que o “padrão” seja uma mulher mais ou menos alta, com cabelos lisos. Padrão de quê? Quem impôs que deve ser assim?

As pessoas não deveriam pensar nesse suposto padrão idiota, e aceitar que são diferentes. Afinal, se fossemos todos iguais, o mundo não teria graça! Até porque, de nada adianta botar silicone aqui e ali, se entupir de botox, fazer cirurgia pra corrigir não sei o quê se, falando bem a verdade, todos nós iremos morrer e o corpo que você sempre lutou para deixar perfeito, será comido por vermes.

Sem falar nos exageros, pessoas que de tanto mudarem o corpo, acabam se deformando. Um exemplo clássico é a socialite Jocelyn Wildenstein - por nome você pode até não conhecê-la, mas vendo sua foto, saberá de quem estou falando. Ela já gastou mais de 4 milhões de dólares em cirurgias plásticas. E sinceramente, todo esse dinheiro foi praticamente jogado no lixo, pois ela era mais bonita antigamente...

Jocelyn Wildenstein - antes e depois
Você não acha ridículo como a exagerada busca pela perfeição acaba tornando as pessoas escravas da vaidade? Se cuidar, usar um aparelho ortodôntico para corrigir erros na dentição, fazer exercícios físicos, é uma coisa, agora, ser escrava de dietas e de cirurgiões plásticos porque nunca acha que está bom o suficiente, é algo bem diferente.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Inverno

Na teoria, o inverno começou às 14:16 de ontem, dia 21 de junho. Mas na prática, ele já chegou aqui no sul brasileiro há um tempo (como sempre). De qualquer maneira: seja bem-vindo, SEU LINDO!


Mesmo que no Brasil o inverno não seja tão frio, aqui no sul a história é diferente. Aqui é frio de verdade. As temperaturas, muitas vezes, ficam entre 0º e 5º, e às vezes até negativas! Não é nada comparado ao inverno europeu, que chega a -15º, -20º e nevar, mas com certeza é muito frio se comparado ao infernal verão de quase 40º (o qual eu odeio).

Sempre amei o inverno. Eu até brinco que é por causa que nasci em julho, geralmente o mês mais frio de todo o inverno. Quem sabe seja por isso mesmo, mas fato é que eu simplesmente adoro o frio e toda a elegância que ele traz consigo.


A maioria das pessoas o odeia e só vê seu lado negativo, como ficar doente com mais facilidade, a dificuldade para tomar banho, vestir várias roupas para se sentir aquecido. Pena que elas não percebem seu lado maravilhoso: tomar um bom chocolate quente, um vinho, sentar-se próximo à lareira, ficar deitado embaixo do edredom vendo um filme. Na verdade, acho que brasileiro reclama do frio porque é ruim ir pra rua de madrugada encher a cara com o mínimo de roupa possível. Pronto, falei.

Convenhamos que o inverno tem uma espécie de charme que as outras estações não possuem. As pessoas parecem mais bonitas no inverno. As roupas nos deixam um pouco mais... Chiques, de certa forma, e o ar fica com uma cara um tanto européia.

Espero que, um dia, a maioria das pessoas pare de implicância com a estação mais linda do ano e aceitem que possam se considerar elegantes mesmo com blusas de gola e sobretudo. E que, além de tudo, vejam os pontos positivos por trás dos pontos negativos do inverno... Para finalizar o post, deixo uma imagem em homenagem aos meu conterrâneos sulistas (o texto refere-se aos gaúchos, mas catarinenses e paranaenses sintam-se homenageados também)


Crédito das Fotos: Weheartit.com

segunda-feira, 20 de junho de 2011

R.I.P. Ryan Dunn


Ryan Dunn, conhecido mundialmente conhecido por fazer parte da série Jackass, sofreu um acidente de carro nessa madrugada e, infelizmente, faleceu. O carro aonde ele estava, pegou fogo após a batida, e nem ele, nem a outra pessoa que o acompanhava (ainda não identificada) resistiram. Momentos antes do acidente, ele postou em seu twitter uma foto aonde aparecia bebendo com amigos. Segundo a polícia, era Ryan quem dirigia no momento do acidente, e que o excesso de velocidade poderia ter causado a batida.

Foto que Ryan publicou no Twitter
Johnny Knoxville,  um dos fundadores de Jackass, comentou sobre o acidente do amigo em seu twitter: Today I lost my brother Ryan Dunn. My heart goes out to his family and his beloved Angie. RIP Ryan, I love you buddy.” (Hoje eu perdi meu irmão, Ryan Dunn. Meus sentimentos à sua família e sua amada Angie. Descanse em paz Ryan, eu te amo, cara).

O que sobrou do carro de Ryan Dunn
Eu, como uma fã de Jackass, confesso que fiquei muito abalada quando soube, agora há pouco. Quando alguém que você gosta (mesmo que seja um famoso que você goste do trabalho) morre assim, de repente, é algo que nos choca, porque ninguém espera que isso vá acontecer. Desejo ao pessoal do Jackass e à família de Ryan muita força para enfrentar esse momento difícil. Descanse em paz, Ryan, você sempre será lembrado por nós.

Créditos das fotos

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Livros



Desde criança, sempre fui apaixonada por livros. Comecei com gibis da Turma da Mônica - tenho uma bela coleção deles - e depois fui evoluindo. Por volta de 12, 13 anos, gostava de livros em forma de diários, que contavam a história dos personagens através dos próprios. Nunca fui fã de Harry Potter, não tenho nada contra quem gosta, mas esse tipo de literatura nunca me chamou a atenção.

Conforme fui crescendo, fui mudando meus gostos literários. Li tantos livros que já perdi a conta (todos os listados no meu perfil do Skoob não são nem metade de tudo que já li). Lembro-me que adorava passar o recreio na biblioteca da minha antiga escola; aquilo era o paraíso para mim. Às vezes, pegava um livro, sentava no chão e o lia nos minutos de intervalo.

Muitas pessoas assistem muitos filmes, mas eu prefiro livros. Para mim, não há nada melhor do que pegar um livro, sentar confortavelmente e viajar na história. E tem que ser livros de verdade, preciso sentir a forma, o tamanho (gosto de livros grandes, com muitas páginas e vários detalhes)... E-book não é comigo, já tentei, mas ler através de uma tela me dá dor de cabeça.

Ultimamente tenho lido os livros do Dan Brown e fiquei encantada pelo seu modo de escrever. Porém, há muitos anos, tenho como escritor favorito o brasileiro Paulo Coelho - tanto que meu namorado me deu sua biografia. Sei que muitas pessoas aqui no Brasil o odeiam e odeiam seus livros, dizem milhares de coisas contra ele, mas independente do que me falarem, continuarei lendo seus livros, pois é algo que gosto, e não obrigo ninguém a gostar também...

Enfim, livros são uma ótima companhia, e além disso, nos ajudam a melhorar nosso vocabulário. Se você não tem o que fazer e nem aonde ir, dê uma chance àquele livro que está na estante - ou vá a uma biblioteca e escolha algum livro de sua preferência, se não os tiver em casa. Garanto que você não se arrependerá!

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Cachorros, filhotes e etc.

Existe algum animal mais bonito, fofo, amigo, do que um cachorro? Eu acho que não. Quando filhotes, são adoráveis, e brincar com eles é uma distração maravilhosa. Depois de crescidos, continuam lindos, e são uma companhia inseparável.

 
Vai dizer que você não soltou um “anw” com essa foto?





Eu tenho um cachorro desde 2006, e não imagino mais como seria a vida aqui em casa sem ele. Logo quando ele veio para cá, meu pai sofreu um acidente e ficou em casa por muito tempo. Quando meu pai voltou a trabalhar, nosso cachorro ficava quieto, não brincava, não latia, sequer comia... Mas bastava meu pai chegar em casa para ele fazer uma festa; corria, pulava, fazia de tudo, parece que queria dizer o quanto sentia falta do meu pai. Eu acho lindo como isso acontece, nosso cachorro é muito apegado ao meu pai, e meu pai, por sua vez, ama nosso cachorro. (eu até brinco que ele prefere nosso cachorro a mim, que sou sua filha haha brincadeira pai, te amo!)

Mas uma coisa que não consigo entender é como existem pessoas que sentem prazer em maltratar esses bichinhos inocentes (não só cachorros, mas qualquer animal)? Há algum tempo surgiu na internet um vídeo de uma garota jogando filhotes num rio. Confesso que meu sangue ferveu e tive vontade de fazer o mesmo com ela e com seus familiares. Se você não gosta de animais, não precisa maltratá-los. Existem diversas formas de divertimento, e machucar animais não é nem um pouco engraçado! Você conseguiria fazer mal a um animal como os da foto acima? Se você respondeu que sim, você não tem coração. Não desejo mal a ninguém, mas pessoas que têm esse tipo de comportamento não merecem viver.

Créditos das fotos: Weheartit.com

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Paciência é Bom... E eu não tenho!

“Respira fundo. Conta até dez. Não vale a pena se irritar por causa disso.” Já repeti isso mais de dez vezes, mas a situação está saindo do controle e meu limite está chegando ao fim em 5, 4, 3, 2, 1...


Mesmo que não pareça, sempre fui uma pessoa “estourada”, dessas que não levam desaforo para casa - isso está no sangue e não dá para negar. Tudo piorou depois que sofri bullying na escola. Passei a não aceitar nenhum tipo de brincadeira sequer. Qualquer coisa era motivo para eu fechar a cara (o que piorava cada vez mais as “brincadeiras”).

Com o tempo, as coisas foram mudando um pouco, passei a me controlar mais, tentar deixar quieto até onde o meu limite aguentava. No começo, confesso que não demorava muito para me irritar, mas aos poucos fui ficando mais calma e tendo paciência. Mas sempre chega um dia que não consigo me controlar e “expolodo”. (Coitado do meu namorado, que aguenta meus surtos... Te amo, e muito obrigada!)

A minha pior fase é, sem dúvidas, a TPM. Quando algo me tira do sério (o que não demora muito a acontecer nessa época), eu saio de mim. Choro, grito, jogo toda a minha raiva para fora. E como uma clássica canceriana que sou, quando passa, me arrependo (e aí choro outra vez, com raiva de mim por ter feito tudo isso). Às vezes nem eu me aguento...

Eu fico impressionada com a paciência de algumas pessoas. O mundo pode estar acabando e elas continuam  calmas. Eu adoraria poder ser assim, de verdade. Minha vida seria tão melhor se, em vez de querer pegar alguém pelo pescoço, apenas deixar passar. Mas não perco as esperanças de um dia ser uma pessoa zen.

Créditos da foto: Weheartit.com