sexta-feira, 29 de julho de 2011

Clube dos 27

Kurt Cobain, Jimi Hendrix, Janis Joplin, Jim Morrison, e mais recentemente, Amy Winehouse... O que esses e outros artistas do mundo da música têm em comum? Se você respondeu que todos morreram aos 27 anos, você acertou.

“Integrantes” do Clube dos 27

Uma lenda para alguns, uma maldição para outros. Fato é que, há muito tempo o famoso “Clube dos 27” vêm agregando músicos conhecidos por suas vidas polêmicas, geralmente acompanhado do constante uso de drogas.

Segundo a história, o primeiro membro desse clube foi Robert Johnson, que morreu em 16 de agosto de 1938. Depois, foi a vez de Brian Jones, um dos membros-fundadores dos Rolling Stones, que faleceu em 3 de julho de 1969. Pouco mais de um ano depois, em 18 de setembro de 1970, Jimi Hendrix foi encontrado morto em um quarto de hotel na Inglaterra, asfixiado com o próprio vômito. Quase um mês depois, em 4 de outubro, Janis Joplin teve uma overdose de heroína e acabou falecendo também.

Dois anos após a morte de Brian Jones, em 3 de julho de 1971, Jim Morrison, vocalista do The Doors foi encontrado na banheira de seu apartamento. Quase 23 anos depois, em 8 de abril de 1994, foi encontrado o corpo de Kurt Cobain, vocalista do Nirvana. Depois de 17 anos, na semana passada foi a vez de Amy Winehouse entrar para o grupo. A cantora foi encontrada sem vida em sua casa, em Londres.

A Wikipedia conta também com uma lista com vários outros artistas que também deixaram este mundo aos 27 anos de idade. O grupo vem aumentando... Quem será a próxima “vítima”?

Fonte e créditos das fotos.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

As crianças e a educação (que elas não tem)

O mundo mudou. Tudo muda e sempre vai mudar... Infelizmente, nem tudo muda para melhor. E um ótimo exemplo disso é a educação das crianças. É cada vez mais comum crianças mal-educadas, sem limites, porque “ah, deixa disso, é só uma criança, não sabe o que está fazendo”, mas essas crianças serão o futuro do país, do mundo.


Quando eu era pequena, as crianças eram educadas. Se os pais falavam “não mexe aqui”, elas não mexiam. Criança não falava palavrão, não batia nos outros. Criança não mandava nos pais, muito pelo contrário, os pais eram quem mandavam nos filhos. Eu cresci na época em que, se você fazia algo errado, tomava umas palmadas. Hoje em dia é proibido, mas convenhamos, tomar um tapinha não mata ninguém!

Não é raro sair na rua e ver crianças chorando sem motivo, gritando, cuspindo e etc. Aí os pais ficam vermelhos de vergonha e dizem “Desculpa, meu filho é um pouco agitado”. Agitado? Isso, para mim, parece falta de educação. E os pais, em vez de darem um jeito na situação, deixam tudo como está e a situação se repete várias outras vezes. O tempo vai passando e a criança vai crescendo sem limites.

Então ela começa ir à escola. Os professores têm o papel de dar a educação que os pais não deram. Mas aí é tarde demais, se a criança não respeita nem os pais, vai respeitar alguém “estranho”? Não. Na escola, ninguém suporta a criança, em casa, muito menos. Quanto maior a criança fica, pior é o seu comportamento. Se alguém não faz suas vontades, ela bate, dá socos, chutes. Vai aprendendo que, ou é do jeito dela, ou não é de jeito nenhum. E os pais - idiotas - sempre fazem tudo o que o filho quer, não sabem que existe uma palavrinha mágica chamada não!

Então a criança se torna um adolescente marrento e incontrolável. A falta de educação não se restringe aos conhecidos. Qualquer um que olhe diferente para ele, já é motivo de arrumar briga e confusão - porque na cabeça sem cérebro deles, eles são os reis do mundo. Pobre coitados.

E aí, o adolescente, jovem mimado, irritante e com o Rei na barriga (como dizem meus pais), se envolve em uma confusão séria e seus pais são chamados. Eles dão um sermão - agora sabemos que eles se arrependeram de não terem educado o filho enquanto era tempo - e o rapaz diz “fodam-se vocês, a vida é minha e eu faço o que bem entender”.

Essa história se repete todo dia, no mundo todo. Eu gostaria apenas que as pessoas abrissem os olhos. Não faz mal nenhum dar educação às crianças. Dar um tapinha não mata ninguém. Dar castigo, muito menos. Todos nós passamos por isso ao menos uma vez na vida, e sobrevivemos. Isso não é maldade, isso é educação!

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Morte de famosos e a hipocrisia das pessoas.

“A única certeza que temos na vida é a morte”, já diria o poeta. Infelizmente, chega uma hora em que todos têm de partir, e os famosos não são exceção. Mas, parece que nos últimos anos, eles têm nos deixado cada vez mais cedo.


No último sábado, foi a vez da cantora Amy Winehouse deixar este mundo. Eu nunca fui fã dela, mas reconheço que ela tinha talento. Não a julgarei sobre as drogas, nem farei piadinhas, porque eu tenho respeito, coisa que falta em muita gente nos dias de hoje.

E algo que me irrita muito quando algum famoso morre é a hipocrisia da população. Por quê? Eu explico: Até sexta-feira, a maioria das pessoas dizia que a Amy Winehouse era apenas mais uma drogada e não faria falta se morresse. Então, quando anunciaram sua morte, a maioria das pessoas começou a dizer “coitada, ela era tão jovem, cantava tão bem...”, e aí as pessoas começam a baixar/comprar seus álbuns, ouvem todas as músicas durante o dia todo. E depois de 3 meses, ninguém mais se lembrará dela. Assim como aconteceu com Michael Jackson - que enquanto era vivo era considerado pedófilo, mas depois que morreu todos passaram a reconhecer seu talento -, entre tantos outros.

Não estou dizendo que as pessoas não podem ouvir suas músicas. Mas fingir que gosta do artista só porque a pessoa morreu, é muita hipocrisia! Se você gostava do artista, então por que falava mal dele enquanto ele estava vivo e somente após sua morte passou a ouvir suas músicas e dizer que era fã? Além de que, isso deixa os verdadeiros fãs muito irritados, porque eles sim, gostavam de verdade daquele artista, e eles sim têm o direito de ficarem realmente tristes. Desculpa, mas se você finge ficar triste e ser fã de alguém só porque essa pessoa morreu, você não merece meu respeito.

De qualquer maneira, isso ainda continuará acontecendo enquanto as pessoas não tiverem vergonha na cara, infelizmente. Apesar de tudo, descanse em paz, Amy.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Don't worry, be happy!

Você acorda sorrindo sem um motivo aparente. Você se sente bem consigo mesmo, se sente em paz. De repente, tudo começa a dar certo na sua vida, tudo começa a se encaixar e fazer sentido. Parece que, finalmente, você encontrou a felicidade!


A vida é uma caixinha de surpresas, e dessa vez a surpresa é boa. Ótima, aliás. Você não precisou se esforçar, nem tirar boas notas, apenas o mundo sorriu para você. E se sentir feliz é uma das melhores coisas que existem! Pode reparar que é como um efeito dominó, quando algo de bom acontece, sempre tem outras coisas legais que acontecem na sequência - não importa o que for, pode ser reencontrar aquele amigo que você não vê há anos ou ganhar algo que você queria há tempos.

Ultimamente, Deus olhou para baixo e lembrou-se de mim. Depois de tudo que passei há algum tempo atrás, finalmente as coisas estão dando certo. Como diz aquela velha frase “Se for crise, que continue...”. E eu só tenho a agradecer a tudo e a todos que contribuíram para isso. Do fundo do meu coração, meu mais sincero muito obrigada!

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Filmes de Terror

Supostamente, eles são assustadores. Cheios de clichês, seriais killers gritos e muito sangue, os filmes de terror são amados por muitos e odiados por tantos. E eu, particularmente, adoro tudo isso.


Até algum tempo atrás, eu não assistia muitos filmes, confesso. Mas depois que se vicia em alguma coisa, é difícil parar. De qualquer maneira, mesmo que eu visse poucos filmes, geralmente eram filmes de terror (e/ou suspense, horror).

Como disse no começo do post, esses filmes são cheios de clichês (por exemplo: há um grupo de 5 a 10 pessoas, e misteriosamente elas vão desaparecendo - e morrendo - uma a uma, até o “herói” ser o único a sobreviver), e muitas vezes as histórias são bem parecidas, muda-se apenas os personagens e o local onde tudo acontece. Alguns desses filmes chegam a ser engraçados, ao menos para mim.

Algumas pessoas me perguntam como eu consigo gostar desse gênero de filme, com sangue, mortes, espíritos e não de filmes românticos, com casaizinhos apaixonados e a vadia loira que tenta impedir os dois de ficarem juntos e etc. E é justamente por isso, os clichês de filme de terror me fazem rir, os clichês de filmes românticos, as patricinhas mimadas e as vozes irritantes me fazem ter vontade de dar um tiro em quem fez o filme.

De qualquer maneira, sempre há um diferencial que me faz gostar de cada filme que vejo (salvo poucas exceções). Dos últimos dois, três anos para cá, foram lançados filmes que, na minha opinião, são excelentes, como Alma Perdida (The Unborn), Arraste-me Para o Inferno (Drag Me To Hell) A Escolhida (Choose), entre outros.

Essas são as minhas dicas, espero que gostem. Se alguém tiver alguma dica de filme, deixe nos comentários, ok? Até mais.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

O Primeiro Emprego

A maioria dos adolescentes, a partir dos 15, 16 anos, quer começar a trabalhar, ganhar seu próprio dinheiro e parar de depender dos pais. Mas conseguir um emprego não é algo nada fácil.


Há muita complicação para se conseguir um emprego. Você precisa ter determinada idade, precisa de tanto tempo disponível, para alguns trabalhos precisa ser homem, para outros, mulher. E o principal: você precisa ter experiência.

Desde que eu comecei a procurar emprego, não há palavra que eu odeie mais do que experiência. Porque em qualquer lugar, só contratam se tiver experiência profissional. Alô, eu estou procurando o primeiro emprego, como vou ter experiência em algo, se não me dão a chance de trabalhar? E aí vem aquela velha história: Como conseguir um emprego sem experiência, e como conseguir experiência sem um emprego?

Muitas pessoas recorrem ao CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola), na esperança de conseguir qualquer coisa, mesmo com um salário mínimo. Algumas pessoas conseguem, mas outras (como eu), têm cadastro por anos e anos, e sequer conseguem uma entrevista.

De qualquer maneira, a luta continua... Mais cedo ou mais tarde eu conseguirei encontrar um emprego, é só não desistir quando eu receber um “não”, como diz o meu pai. Porque, aliás, ficar em casa o dia todo não ajuda em nada.

terça-feira, 12 de julho de 2011

Onde estão as ditas “Amizades eternas”?

Aposto que você já teve um amigo inseparável na infância. Algumas poucas pessoas conseguiram manter esse amigo inseparável quando se tornaram adultos, mas a maioria das pessoas infelizmente, não. Não importa o motivo: mudança de casa, escola, cidade - a promessa de não deixar a amizade morrer quase sempre falha - ou simplesmente a amizade acabou sem razão. Aconteceu comigo, aconteceu com você, e não somos os únicos.


Essa “separação” de quem julgávamos estar ali para sempre dói. E muito. Mas algo além disso que não consigo entender, principalmente quanto aos dias atuais - me refiro às amizades de agora. Você conhece pessoas, se torna amiga delas, vocês passam por ótimos momentos juntos e confiam uns nos outros. Independente se for uma amizade de somente duas pessoas ou de um grupo maior, porém tão unido quanto os dois “melhores amigos”. Mas, de repente, você percebe que algo mudou, algo está errado. Em um dia vocês estão juntos, conversando, rindo, como sempre. Porém, sem motivo algum, vocês começam a se afastar.


Quando você precisa de um ombro amigo, não encontra ninguém. Você passa pelo seu “amigo” na rua e ele te dá um oi seco, ou então finge que não te viu. Não é paranóia sua, algo realmente aconteceu e você não sabe o quê. Vocês vão se distanciando mais e mais. Game over. Até que, finalmente, um dia você descobre que aquela pessoa não era tão confiável quanto você julgava ser.

Mesmo aquelas pessoas que dizem não se importar, se importam, eu sei. Porque ninguém vive sem amigos. Mesmo que digam que a amizade do fulano não faz falta, eles sentem saudade. Pensam nos momentos, meses, anos de “amizade” e não entendem por que isso aconteceu. Ninguém nunca entendeu, ninguém nunca irá entender.

Tudo nos dias de hoje mudou, inclusive as amizades. Gente falsa e interesseira existe em qualquer lugar, e parece que, desta vez, você foi o escolhido por essas pessoas. Eles juram serem amigos eternamente, aproveitam o máximo que podem, e então escolhem outro alvo, apagando você da vida deles. E a vida segue assim. Podemos nos magoar, podemos sentir falta de momentos que sabemos que não irão voltar, mas o ciclo acaba se repetindo.

Mas, felizmente, existem pessoas que ainda acreditam no valor de uma amizade. Que sabem o quanto é importante ter alguém em quem confiar, além da família. E um dia, encontramos uma pessoa que, não importa quando, onde ou por quê, vai sempre estar ali. Podemos não ter a sorte de quem encontrou esse amigo durante a infância, mas finalmente conseguimos encontrar um amigo que realmente é pra sempre. E essa amizade sim, vale a pena ser lembrada.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Campanha do Agasalho 2011

O inverno “chegou chegando”, como dizem por aí, e segundo minha mãe, o inverno não era tão forte assim há uns 15 ou 20 anos. Tudo bem pra você, que está aí, no conforto de sua casa, com roupas quentinhas e ar quente... Mas e quem não tem nada disso?

  

A Campanha do Agasalho teve início em 1947, no estado de São Paulo, pelo seu então governador Ademar Pereira de Barros e tem como objetivo arrecadar roupas e cobertores para doar às pessoas pobres e entidades assistenciais. A Campanha se espalhou pelo Brasil, e hoje em dia, você pode encontrar um ponto de doação em praticamente qualquer lugar.

Por que você não ajuda as pessoas que estão precisando? Aquele seu casaco que, infelizmente não cabe mais em você, ou aquele cobertor que você não usa porque já tem outro, que tal doá-los para alguém que realmente nessecita? Arrume seu guarda-roupa, tire as peças que você não necessita mais, e faça o bem a alguém.

Se você não encontrar um ponto de doação, ou não sabe quais são os pontos, você pode ligar para a Coordenadoria Regional da Defesa Civil (Redec). Aqui no Rio Grande do Sul, existem 11 Coordenadorias, e abaixo seguem os endereços e telefones para contato:

Redec 01 - Porto Alegre
Praça Mal. Deodoro S/N - Palácio Piratini - 4º Andar - (51)3210-4501 

Redec 02 - Passo Fundo
Av. Presidente Vargas nº 1501 (quartel do 3º RPMon) - (54)3313-0198

Redec 03 - Santa Maria
Rua Pinto Bandeira nº 360 (quartel do Comando Regional) - (55)3286-1694

Redec 04 - Pelotas
Av. Bento Gonçalves nº 3207 - (quartel do 4º BPM) - (53)3278-2393

Redec 05 - Santo Ângelo
ERS-344 Km 97 - (quartel do Comando Regional) - (55)3313-8048

Redec 06 - Santana do Livramento
Rua Cel Ângelo Mello nº 747 - (quartel Corpo de Bombeiros) - (55)3244-4403

Redec 07 - São Luiz Gonzaga
Rua 13 de Maio nº 929 - (55)3352-2856

Redec 08 - Imbé
Rua Irai nº 901 - (51)3627-3214

Redec 09 - Caxias do Sul
Rua 20 de Setembro nº 2533 - (quartel Corpo de Bombeiros) - (54)3215-5766

Redec 10 - Uruguaiana
Av. Presidente Vargas nº 3278 - (55)3411-2082

Redec 11 - Lajeado
Av Benjamin Constant nº 3045

Fonte

terça-feira, 5 de julho de 2011

Criatividade

Você decide escrever um texto sobre determinado assunto, ou uma história em si, ou qualquer coisa que lhe pareça interessante. Você pensa, pensa, pensa... E nada bom vem à mente. Você muda de assunto e escreve um texto - que, por sua vez, fica uma porcaria. Você já está quase desistindo quando, de repente, surge uma luz no fim do túnel e você consegue escrever seu texto sem grande esforço, ele sai livremente através de seus dedos.



Quem escreve, sabe muito bem do que eu estou falando. Quando queremos escrever, mas não conseguimos, é algo muito ruim. É como você tentar dizer a alguém que a ama, mas sem saber como. E a criatividade é algo essencial. Podemos estar “travados” mas, do nada, qualquer coisa pode nos trazer uma inspiração (qualquer coisa mesmo, pode ser desde o toque do seu celular até a propaganda do novo sabão em pó na televisão).

Eu escrevo há uns 3 anos, e já passei por essa situação diversas vezes. E foi justamente um bloqueio, uma indecisão sobre o que escrever, que me fez pensar sobre isso - e que irônico, meu bloqueio acabou me rendendo este post.

Se você está começando a escrever agora, não se assuste, não pense que não tem capacidade, porque momentos assim acontecem com todo mundo, inclusive com escritores renomados. Não é culpa de ninguém, às  vezes você apenas não está inspirado o suficiente, ou não está conseguindo se concentrar em determinado assunto.

Enfim, um escritor com bloqueio de criatividade é algo que sempre existiu e sempre irá existir. Não dá para prever, mas dá para contornar a situação. Se isso acontecer com você, saia da frente do computador, tome uma água, um café, veja um pouco de televisão... A qualquer momento sua criatividade virá, e o texto sairá praticamente pronto da sua cabeça.

Créditos da foto: Weheartit.com