sexta-feira, 28 de outubro de 2011

What the hell is going on?

Ultimamente tenho me deparado com pessoas cansadas da vida que levam, da casa que têm, da família, dos amigos, cansadas de tudo. Pessoas que eu conheço, com quem eu convivo. E isso me preocupa... O que está acontecendo?


Sei que não sou psicóloga nem nada do tipo, não tento analisar e nem julgar ninguém, mas realmente me sinto desconfortável quando vejo tais pessoas dizendo que fazer isso ou aquilo já não faz mais diferença em suas vidas. Perder a vontade de fazer coisas que, até algum tempo atrás, você adorava, não é normal. Não é só mais uma reclamação. É diferente. E eu não sei explicar por quê.

Me sinto ruim, de mãos amarradas, pois quero fazer algo para mudar isso, quero ajudar de alguma maneira, mas não sei como fazê-lo. Conselhos não são a melhor opção, não sei o que dizer justamente por não saber o que se passa na cabeça dessas pessoas. Tenho medo de dizer algo que possa magoar, piorar esse sentimento ruim que tomou conta de seus corações.

Eu realmente gostaria de saber o que está acontecendo ultimamente, por que várias pessoas estão perdendo, aos poucos, a vontade de viver. Enquanto isso, tento ajudar as pessoas que gosto da melhor maneira que consigo, nem que seja apenas com um abraço.

A vida nos dias de hoje não está fácil pra ninguém, não podemos negar. Mas desistir e entregar os pontos também não ajuda. Erguer a cabeça e manter seus objetivos fixos é importante para que o mundo não destrua quem nós realmente somos.

Créditos da foto: Weheartit.com

sábado, 22 de outubro de 2011

Those who do not appreciate life...

“... Do not deserve life.” - John Kramer (Jigsaw)


Quando eu vi o filme SAW II (Jogos Mortais II) pela primeira vez, essa frase me chamou a atenção. Não sou uma psicopata à la Jigsaw, mas concordo plenamente com ele. Para quem acredita em destino e/ou Deus, nós nascemos com um objetivo, uma missão nessa vida. E várias pessoas estragam tudo, indo para caminhos como as drogas, cometendo crimes e etc. O objetivo dos jogos de Jigsaw é “simples”: fazer as pessoas entenderem que estão arruinando suas vidas ao fazer coisas erradas.

Creio que a frase que dá título ao post é uma das melhores que já li, pois é completamente verdadeira. Nascemos com um propósito e se você estraga a sua vida em vez de fazer o que é certo, você não merece viver. Claro que ninguém precisa de um Jigsaw montando armadilhas na vida real para mostrar isso ao mundo.

Um monte de gente pode dizer “Ah, mas é só um filme de terror e blábláblá”, mas a mensagem que ele passa deveria abrir a consciência de todos, que apesar de todos os problemas, só temos uma vida, uma chance de fazer as coisas certas. Pena que várias pessoas só se dão conta disso quando é tarde demais.

Eu gostaria que as pessoas percebessem o quanto a vida é preciosa demais para perder tempo cometendo crimes, usando drogas e etc. Nascer em um lugar menos favorecido do que alguns não é desculpa para se jogar nesse mundo que só tem dois destinos finais: cadeia ou cemitério. Se você quiser mudar a sua realidade e ter uma vida diferente, com força de vontade e esforço você consegue. As coisas não acontecem do dia para a noite, é preciso ter paciência, que um dia sua recompensa chegará.

Créditos da foto: Weheartit.com

sábado, 15 de outubro de 2011

Feliz dia do Professor!

Acho que todos aqui sabem que hoje, dia 15 de outubro, é o dia do Professor no Brasil. Eu sempre achei esta data especial, não pelo fato de não ter aula, mas sim porque tenho um exemplo em casa: minha mãe é professora de alfabetização - na minha opinião, o mais importante professor, pois é quem nos ensina a ler e escrever.


 Desde criança, aprendi a respeitar os professores, pois qualquer outra profissão no mundo, é consequência do aprendizado que eles passam às crianças. Desde um médico, um advogado, até o caixa do mercado da esquina, todos, algum dia, estiveram numa sala de aula. Para um professor, é um orgulho ver que aquela criança que ele ensinou há anos, se tornou um ótimo e respeitável profissional.

Muitos adolescentes não gostam de seus professores, e isso é normal, mas têm aqueles que exageram, e como já foi mostrado nos jornais, batem, machucam, às vezes até levam facas e canivetes para a escola, para ferirem ainda mais os seus mestres. E o pior de tudo é que tem gente que defende esses marginais mirins! Isso é um absurdo! Porque um professor não pode segurar o aluno mal educado pelo braço, mas o aluno que se acha o dono do mundo, pode espancar o professor porque “ah, ele é uma criança/adolescente e não sabe o que faz.” Ok, a gente finge que acredita, né?

É por essas e outras que eu realmente admiro quem escolheu essa profissão nos dias de hoje, porque precisa de muita coragem e muita paciência para aguentar gente mal educada e não poder nem chamar a atenção direito, além de receber um salário que não vale nem a metade de todo o trabalho que exercem. O professor deveria ser o profissional com o melhor salário deste país! Eu acredito que, somente quando investirem na educação pública, o Brasil vai começar a crescer de verdade.

A todos os professores desse Brasil, recém-formados, aposentados, apaixonados pela profissão: Parabéns pelo seu dia! Vocês transformam vidas! E aos meus professores (e ex-professores também), e em especial à minha mãe, meu maior exemplo: Muito obrigada por terem ensinado tudo o que sei hoje!

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

I had the time of my life...

Hoje é um dia especial para mim. Há um ano realizei o meu maior sonho, depois de anos e anos de espera. No dia treze de outubro de 2010, tive a oportunidade de ver um show da minha banda preferida: o Green Day. Além disso, conheci pessoalmente vários de meus, até então, amigos virtuais.

“Green Day: We are not from California. Green Day: we are from Brazil. We, now, belong to you.” - Billie Joe Armstrong
Não consigo explicar a emoção que senti quando me dei conta de que, tudo o que sonhei desde minha pré-adolescência, era real e estava acontecendo ali, naquele exato momento. Cada ano de espera, cada hora na fila, embaixo de um sol quente, tudo valeu a pena durante aquelas quase 3 horas de show, desde os hits, até as músicas antigas.

Quando o Drunk Bunny apareceu, senti vontade de chorar. Quando começou a tocar Song Of The Century, meu coração disparou. Quando vi o Tré, o Mike e o Billie Joe entrando naquele palco, “caiu a ficha” que sim, eu estava na frente dos meus maiores ídolos, minhas maiores inspirações. Ver o Mike Dirnt na minha frente, a apenas alguns metros (eu e meu noivo estávamos na terceira fila) de mim é algo que jamais conseguirei explicar em palavras, porque ele quem me motivou a aprender a tocar baixo, para poder tocar as mesmas músicas que ele.

Cada vez que me recordo desse dia, me emociono, lembro dos meus amigos maravilhosos, que lembraram de mim quando minha música preferida - Jesus Of Suburbia - começou a tocar. Cada vez que o Billie gritava “Porrto Aleegre!” eu sentia um orgulho enorme de ser gaúcha, mesmo não sendo porto-alegrense. Quando ele segurou a bandeira do Brasil, pela primeira vez em toda a minha vida, senti orgulho de ser brasileira.

Sem dúvidas, esse dia ficará marcado para sempre na minha memória e, principalmente, no meu coração - por mais clichê que essa frase possa parecer. Estou ouvindo o áudio do show enquando escrevo esse post, e é melhor parar por aqui porque já estou começando a chorar - como sempre acontece quando ouço essas músicas.

TOP 3!

Eu só tenho duas palavras para finalizar esse post: muito obrigada! À minha família, meus amigos, e ao Green Day. Digo com toda a certeza que amo todos vocês!

sábado, 8 de outubro de 2011

Não perde quem desconfia...

“...Culpa da nossa tão odiosa natureza humana.” (Odiosa Natureza Humana)

O ser humano pode ter diversas faces. Existem, sim, muitas pessoas boas e que se preocupam com o próximo, mas posso dizer que mais da metade dos humanos, hoje em dia, se importam apenas com duas coisas (que estão interligadas): dinheiro e poder, deixando seus escrúpulos e dignidade para trás.


Infelizmente, é essa maioria quem governa praticamente tudo. Nós, pobres mortais, devemos obedecer, caso contrário, eles dão algum jeito de nos calar. E não estou me referindo a apenas um lugar, uma cidade, um país. É assim no mundo todo! E sempre foi. Desde que o dinheiro e as riquezas foram inventadas, houve essa separação, e o lado mais forte sempre venceu.

Para exemplificar isso, relembrem da história do nosso país: Os traficantes portugueses queriam levar o pau-brasil para a Europa, mas queriam uma mão de obra barata, e então compravam os índios que aqui viviam: eles cortavam a madeira e a levavam até os navios e, em troca, os portugueses pagavam os índios com espelhos, tecidos, contas coloridas e outras coisas que não valiam muito.

O que isso tem a ver com o título do post? Simples, no mundo de hoje, é difícil confiar em alguém que não seja da sua família ou do seu círculo de amigos (e olhe lá, pois acontecem tantos roubos, mortes e etc entre familiares...). Como dizem por aí “Quando a esmola é demais, o santo desconfia”. Muitas pessoas caem no conto do “bilhete premiado” por confiarem em desconhecidos. E tais pessoas aproveitam da ingenuidade alheia.

Desconfiar dos desconhecidos nunca é demais, principalmente quando algo muito bom te é oferecido em troca. Aquelas pessoas que dizem que não confiam nem na própria sombra, estão certíssimas. E creio que, infelizmente, as coisas não irão mudar tão cedo. Mas como diz a música do Matanza, é tudo culpa da nossa tão odiosa natureza humana.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

O Preço

“E agora eu pago meus pecados por ter acreditado que só se vive uma vez.” O Preço - Engenheiros do Hawaii

Até onde vai os “limites” do amor? Quando um relacionamento deixa de ser saudável para se tornar uma obsessão? Vidas que acabam em tragédias por culpa de uma cabeça fraca, que não sabe controlar um sentimento como esse tal de amor.


Há algumas semanas, uma jovem soldado da Brigada Militar (Para quem não sabe, nós, gaúchos chamamos de Brigada Militar, em vez Polícia Militar) da cidade de Passo Fundo (aqui no RS, cidade próxima à minha) desapareceu sem deixar rastros. Ontem encontraram seu corpo e, ao que tudo indica, ela se suicidou por causa do fim de um relacionamento. Maiores informações, aqui

Quando li essa notícia, comeci a pensar no que leva a uma pessoa a acabar com a sua vida, ou acabar com a vida da pessoa “amada” por causa do final de um relacionamento? Tantos e tantos casos que já ouvimos falar, quase todos com o mesmo final, e cometidos pelos mesmos motivos.

Ciúmes exagerados, proteção demais, dependência do parceiro... Quando as coisas chegam nesse ponto, é sinal de que algo não está bem. O medo exagerado de perder alguém que se gosta, amar demasiadamente - no sentido ruim - é algo extremamente prejudicial, porque em vez de trazer a pessoa para perto de si, cada vez mais a afasta, porque ninguém aguenta ficar preso 24 horas por dia a alguém, dando explicação de cada movimento que faz.

Acho que pessoas com comportamentos assim não estão prontas para assumir um relacionamento, pois independente da idade, não têm maturidade emocional para se envolverem com outra pessoa. Antes de qualquer coisa, as pessoas precisam aprender a amarem e respeitarem a si mesmas, e ter plena consciência que a vida não é um mar de rosas. Discussões sempre existem, brigar com alguém que se gosta não é o fim do mundo, e fazer uma tempestade num copo d'água só piora as coisas.

É preciso aprender a viver, controlar os dois lados da balança para tentar manter o máximo de equilíbrio possível. Aí, depois que você conseguir fazer isso consigo mesmo, arrisque-se a amar outra pessoa, mas sempre com o pé no chão e seja feliz!

Créditos da foto: Weheartit.com