terça-feira, 29 de novembro de 2011

Aprenda a encarar seus medos.

Essa noite eu tive um sonho diferente, esquisito. Sonhei que estava na minha antiga escola, e lá estavam algumas pessoas, verdadeiros demônios, que tentaram destruir minha auto-estima e a criança cheia de sonhos que eu era quando comecei a estudar lá. Nunca paro para pensar nos sonhos que tenho, mas hoje foi diferente.


No sonho, tudo era exatamente como era há três ou quatro anos. Eu ali, encarando as pessoas que tentaram de tudo para me ver no fundo do poço, e então senti como se a liberdade gritasse dentro do meu peito. Gritei junto com ela. Lembrei de tudo o que passei, os momentos em que eu fingia não ligar, mas desabava ao chegar em casa. Lembrei de quanta dor suportei, até um dia não aguentar mais e extravasar, na sala de aula, na frente de tudo e de todos.

Demorei alguns anos, guardando todo aquele sentimento ruim dentro de mim, mas fui criando coragem e força, e quando tudo chegou ao limite, encarei os demônios que frequentavam a mesma sala de aula que eu. E digo, com orgulho, que venci. Hoje eu percebo que, talvez até tenha sido necessário passar por isso, para ser quem sou atualmente.

Cresci, amadureci, mudei. Apesar de tudo, aprendi a perdoar. Claro, foi preciso alguns anos para “deixar para lá”, mas eram atitude infantis (de gente que continua infantil até hoje, para falar a verdade) e não vale a pena guardar rancor dessas pessoas que não vejo mais.

Esse sonho me fez refletir sobre a minha vida, sobre o que passei para chegar até aqui. Acho que eu estava precisando mesmo disso.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

When you feel homesick...


 Nos últimos dias aconteceram fatos que me levaram de volta aos anos que já se foram. Encontrei velhos amigos que jamais pensei ver outra vez. Fotos dos tempos de outrora mostram um “eu” que mudou, e mudou bastante ao longo dos anos. Apesar de tudo, é bom olhar para trás de vez em quando.

Uma música me leva de volta ao ano passado. Uma foto de alguém querido que já não vive mais nesse mundo me remete aos bons dias de minha infância. Fotos de uma pessoa tão diferente por fora, mas tão igual por dentro. É bom lembrar de certas coisas que não voltarão a acontecer.

Infância, ah doce infância! Correr, brincar, cair e se machucar. Tudo era mais fácil quando eu não tinha preocupações, não tinha que estudar e nem correr atrás de emprego. Uma criança de coração limpo, que não conhecia esse mundo dos adultos e queria logo crescer. Ah se eu soubesse o que me esperava nesse mundo de gente grande, não desejaria que o tempo passasse tão rápido quanto o fez...

Nesse monte de lembranças vindo à tona, não só as boas memórias aparecem. Antigos problemas também me vem à cabeça, mas já não me preocupam mais. Esses fantasmas do passado se foram, e para sempre. Me sinto feliz em saber que consegui dar a volta por cima.

Espero, em algum dia do futuro, rever tudo o que escrevi e lembrar dos dias bons que estou vivendo agora. A vida não é nenhum mar de rosas, claro, mas com o famoso “jeitinho brasileiro” tudo se resolve. Para o meu “eu” do futuro: espero que tudo dê certo para você, quanto está dando certo para mim!

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Just change it 'cause you want it...

“... Not because you saw it.” (Just do It - Copacabana Club)

Há muito tempo eu não ouvia a música Just do It, da banda brasileira Copacabana Club - que ouvi pela primeira vez em 2008 ou 2009 - mas, esses dias estava passando os canais na tv e ela estava tocando com a tradução junto. Logo que a música foi lançada, meu inglês não era tão bom pra entender tudo logo de cara, e também não me interessei em procurar a tradução dela. Mas, quando vi a tradução há alguns dias, achei excelente.



O que isso tem a ver com o post? Bom, a frase acima é clara: Mude porque você quer, e não porque você viu. Sentiram a diferença? Muitas pessoas mudam o cabelo, o estilo, as amizades por causa da moda. E depois que a moda passa e surge outra em seu lugar, acontece tudo outra vez. Chega uma hora em que isso cansa.

A música serve como um conselho para essas pessoas, você pode fazer e mudar tudo, desde que seja por sua própria vontade, e não porque é a moda. Muita gente, principalmente adolescentes e pré-adolescentes querem ser aceitos a todo custo, e fazem de tudo para isso. Se tiverem que fazer coisas que odeiam e ir contra as coisas que acham certo, fazem porque “é a moda”. E a originalidade, fica aonde?

Há algum tempo, a moda era usar roupas pretas, e quem usasse uma roupa colorida ou pintasse o cabelo com uma cor diferente - como azul, verde ou laranja - era excluído por ser diferente. Hoje em dia é o contrário, se você não usa uma roupa colorida e tem um cabelo normal, você é “careta”. Desculpa, mas não consigo ver a graça disso.

Deixo aqui o clipe da música para quem quiser assistir. Independente de gênero ou estilo, o que importa é a letra da música, que é ótima, na minha opinião.



Créditos da foto: Weheartit.com

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Aquela velha mania de deixar tudo pra depois...

ENEM, vestibular, concursos, trabalhos, TCC's e etc. O que tudo isso tem em comum? Um prazo final, seja de inscrição ou de entrega. E sempre tem gente que deixa tudo para o último dia, para a última hora - literalmente.


Eu juro que não consigo entender esse tipo de gente, sério. Você teve semanas, meses para fazer algo, mas vai adiando por pura preguiça, na maioria das vezes, e “aos 45 do segundo tempo” você corre atrás de tudo como se estivesse perto da morte. Aí você se estressa, pede ajuda a todos que conhece, e se algo dá errado, a culpa é do universo inteiro, menos sua. Mas quem deixou tudo pro último dia foi você, acorda pra vida!

E sabe qual é a pior coisa disso tudo? Sempre vai ter alguém que vai pedir algo pra você resolver pra ontem, como se você fosse Deus. E você é praticamente obrigado a ajudar, em nome da amizade, ou por ser alguém da sua família. Por mais que você esteja morrendo de vontade de mandar a pessoa ir pro inferno e se virar sozinha, você precisa ajudar. E acaba correndo atrás de tudo pra tal pessoa, que te agradece com um sorriso amarelo, dizendo que isso não vai acontecer outra vez - mas sempre acontece.

Não sei se eu sou metódica e pontual demais, mas quando tenho um compromisso para tal dia, começo a ajeitar as coisas para deixar tudo pronto logo, para me livrar dessa correria e desse estresse desnecessários. Poxa, é tão difícil para algumas pessoas ser assim também? Ia facilitar a vida de um monte de gente que não tem nada a ver com sua irresponsabilidade.

Será que algum dia essas pessoas aprenderão a fazer as coisas quando ainda é tempo ou continuarão assim até algo realmente grave acontecer por culpa de seus atrasos e sua mania de deixar tudo para o último momento?

Créditos da foto: Weheartit.com